Sismac
  • 21 | 05 | 2020 - 16:26 Informe-se

    Curitiba inovadora: Greca acha que asfalto cura a COVID-19

    Curitiba inovadora: Greca acha que asfalto cura a COVID-19
    Ao invés de pensar na saúde pública, a CMC aprova urgência em projeto de lei que aumenta empréstimos para asfalto

    Mais uma vez os vereadores da base do desprefeito Rafael Greca votaram conforme a vontade do prefeito e admitiram urgência no projeto de lei para readequar o empréstimo de R$ 60 milhões junto ao Banco do Brasil para asfalto na cidade. É um exemplo da Curitiba inovadora: combater a pandemia do Coronavírus com asfalto. Soma-se ainda o fato de que a administração está contraindo mais um empréstimo para obras em ano de eleição municipal!

    A mesma urgência não teve para projetos relacionados ao enfrentamento da pandemia do Coronavírus. Ainda faltam equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados para todas categorias da saúde pública municipal, da assistência social, da educação, e de outras categoriais como os polivalentes. Os servidores da odontologia, por exemplo, não possuem equipamentos adequados para se proteger de contaminação durante procedimentos.

    É importante lembrar que a Câmara Municipal aprovou uma sugestão de aumento salarial para as categorias que estão na linha de frente do combate à Covid-19, porém, até então, permanece ignorada pelo desprefeito.

    Nos últimos anos, foram várias as situações de ruas asfaltadas mais de uma vez em Curitiba, enquanto outras regiões continuam à espera do asfalto como é o caso da Avenida Winston Churchill, no Capão Raso, onde o asfalto está precário, com buracos na pista e sinalização deficiente, causando muitos acidentes. A comunidade tem até abaixo-assinado pedindo o asfalto novo, mas a obra não chegou até hoje. Além disso, os acidentes no local são constantes.

    Sessão

    Durante a sessão plenária virtual da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), os vereadores da oposição lembraram que no ano passado foram autorizados três empréstimos para asfalto, o último junto à Caixa Econômica Federal no valor de R$ 250 milhões. Ainda conforme a oposição, durante o atual mandato, o volume de recursos autorizados pela CMC para asfalto na cidade já chega a R$ 1 bilhão!

    Outra questão é que os projetos não especificam quais ruas serão asfaltadas.

    O levantamento feito pelo SISMUC no início deste ano, sobre as emendas individuais dos vereadores na Lei de Diretrizes Orçamentárias 2020, no valor total de R$ 27,8 milhões, mostra que mais de R$ 7 milhões foram destinados para asfalto, recapeamento, lombadas e outras obras relacionadas. Esse valor se somou à fatia generosa que a Prefeitura destina todos os anos para os contratos com empresas de asfalto. Será que a intenção é, além de maquiar a cidade, garantir apoios para campanha de reeleição?

    A mesma turma que atacou os direitos dos servidores com a justificativa de que era preciso economizar,se mostra generosa para repassar verbas que vão direto para a iniciativa privada, por meio de contratos milionários. Enquanto isso, os servidores municipais encontram locais de trabalho sem manutenção e cada vez mais degradados, além da sobrecarga devido à falta de pessoal.

    Vaza, Greca! Seguimos firmes na luta por melhores condições de trabalho!

  • 21 | 05 | 2020 - 16:26 Informe-se

    Curitiba inovadora: Greca acha que asfalto cura a COVID-19

    Curitiba inovadora: Greca acha que asfalto cura a COVID-19
    Ao invés de pensar na saúde pública, a CMC aprova urgência em projeto de lei que aumenta empréstimos para asfalto

    Mais uma vez os vereadores da base do desprefeito Rafael Greca votaram conforme a vontade do prefeito e admitiram urgência no projeto de lei para readequar o empréstimo de R$ 60 milhões junto ao Banco do Brasil para asfalto na cidade. É um exemplo da Curitiba inovadora: combater a pandemia do Coronavírus com asfalto. Soma-se ainda o fato de que a administração está contraindo mais um empréstimo para obras em ano de eleição municipal!

    A mesma urgência não teve para projetos relacionados ao enfrentamento da pandemia do Coronavírus. Ainda faltam equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados para todas categorias da saúde pública municipal, da assistência social, da educação, e de outras categoriais como os polivalentes. Os servidores da odontologia, por exemplo, não possuem equipamentos adequados para se proteger de contaminação durante procedimentos.

    É importante lembrar que a Câmara Municipal aprovou uma sugestão de aumento salarial para as categorias que estão na linha de frente do combate à Covid-19, porém, até então, permanece ignorada pelo desprefeito.

    Nos últimos anos, foram várias as situações de ruas asfaltadas mais de uma vez em Curitiba, enquanto outras regiões continuam à espera do asfalto como é o caso da Avenida Winston Churchill, no Capão Raso, onde o asfalto está precário, com buracos na pista e sinalização deficiente, causando muitos acidentes. A comunidade tem até abaixo-assinado pedindo o asfalto novo, mas a obra não chegou até hoje. Além disso, os acidentes no local são constantes.

    Sessão

    Durante a sessão plenária virtual da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), os vereadores da oposição lembraram que no ano passado foram autorizados três empréstimos para asfalto, o último junto à Caixa Econômica Federal no valor de R$ 250 milhões. Ainda conforme a oposição, durante o atual mandato, o volume de recursos autorizados pela CMC para asfalto na cidade já chega a R$ 1 bilhão!

    Outra questão é que os projetos não especificam quais ruas serão asfaltadas.

    O levantamento feito pelo SISMUC no início deste ano, sobre as emendas individuais dos vereadores na Lei de Diretrizes Orçamentárias 2020, no valor total de R$ 27,8 milhões, mostra que mais de R$ 7 milhões foram destinados para asfalto, recapeamento, lombadas e outras obras relacionadas. Esse valor se somou à fatia generosa que a Prefeitura destina todos os anos para os contratos com empresas de asfalto. Será que a intenção é, além de maquiar a cidade, garantir apoios para campanha de reeleição?

    A mesma turma que atacou os direitos dos servidores com a justificativa de que era preciso economizar,se mostra generosa para repassar verbas que vão direto para a iniciativa privada, por meio de contratos milionários. Enquanto isso, os servidores municipais encontram locais de trabalho sem manutenção e cada vez mais degradados, além da sobrecarga devido à falta de pessoal.

    Vaza, Greca! Seguimos firmes na luta por melhores condições de trabalho!

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS